Arquivo da tag: Itaú Cultural

Desfile performance em homenagem a Zuzu Angel

Padrão

Aconteceu no dia 02 de abril no Itaú Cultural o desfile performance em homenagem a Zuzu Angel, dirigido por Karlla Girotto a ação trouxe réplicas de vestidos criados por Zuzu durante sua carreira, atrizes e modelos desfilaram e deram voz às cartas que ela enviava a amigos e autoridades na busca por Stuart, seu filho morto pela ditadura brasileira.

Em meio à SPFW, o Itaú Cultural fez uma intervenção histórica com desfile-performance, Karlla Girotto que em 2007 encerrou sua jornada de desfiles performáticos e inesquecíveis no evento, geradores de inúmeras discussões entre arte, moda, cultura e sociedade. O desfile também teve réplicas de peças dos mais importantes estilistas brasileiros, como Alexandre Herchcovitch, Adriana Degreas, Amapô, André Lima, Fause Haten, Fernanda Yamamoto, Gloria Coelho, Gustavo Silvestre, Huis Clos, Isabela Capeto, Juliana Jabour, Lino Villaventura, Marcelo Sommer, Martha Medeiros, Neon, Pedro Lourenço, Ronaldo Fraga, Sonia Pinto e Walter Rodrigues, além de um vestido da própria Karlla Girotto desfilaram com o conceito de exposição em movimento.

Confira galeria de fotos
Crédito: Richnner Allan

Mostra celebra 70 anos de Gilberto Gil

Padrão

8Q9I1101Foi inaugurada esta semana, no Itaú Cultural, a exposição Gil 70, que celebra os 70 anos de Gilberto Gil e seus 50 de carreira.

São apresentados ao público 23 trabalhos apresentados em diferentes linguagens e suportes, como pintura, vídeo, fotografia, escultura e instalação, todos inspirados nas canções de Gil ou dedicados a ele.

Entre os artistas que realizaram obras para a mostra estão nomes como Omar Salomão, Carlos Nader e Arnaldo Antunes. A explosão de corações na instalação de Adriana Calcanhoto dá dica sobre a música que inspirou a cantora, “Corações a Mil”, composta por Gil na década de 1970 para o filme de Tom Job Azulay. Já Caetano Veloso dedica a Gil o poema-instalação “Gilberto Misterioso”, assim como Augusto de Campos que homenageia o cantor baiano com o poema visual “Tristes Tópicos”.

Além das obras, a exposição conta com uma grande linha do tempo, ilustrada com imagens, áudios e vídeos, que revelam um pouco da vida pessoal de Gil, e faz um contraponto com sua trajetória profissional acompanhada pelos acontecimentos importantes de cada momento histórico que refletem fortemente na obra do cantor baiano.

A mostra, que já passou pelo Centro Cultural correios, no Rio de Janeiro, fica em cartaz em São Paulo até fevereiro de 2013. A exposição também conta com um site (www.gil70.com.br) que reúne materiais extras sobre Gilberto Gil, manifestos, artigos e depoimentos que revelam um pouco mais sobre a vida e obra do ex-ministro da Cultura.

A equipe do Conexão Cult foi conferir a abertura. Confira as fotos:

Flora e Gilberto Gil

Flora e Gilberto Gil

Afonso Luiz, Aguilar e Antonio Peticov

Afonso Luiz, Aguilar e Antonio Peticov

Carlos Renó, Aguilar, Vandi

Carlos Renó, Aguilar, Vandi

Fernando Haddad e a esposa Ana Estela Haddad

Fernando Haddad e a esposa Ana Estela Haddad

O publicitário Nizan Guanaes e seu filho

O publicitário Nizan Guanaes e seu filho

A atriz Virgínia Kavendish

A atriz Virgínia Kavendish

A ministra da Cultura, Marta Suplicy

A ministra da Cultura, Marta Suplicy

Gil dá uma “palhinha” durante cerimônia de abertura da exposição Gil70

Gil dá uma “palhinha” durante cerimônia de abertura da exposição Gil70

O curador da exposição Gil 70, André Valias

O curador da exposição Gil 70, André Valias

8Q9I1411

Gil em frente a obra feita pelo Aguilar para a exposição Gil 70

Gil em frente a obra feita pelo Aguilar para a exposição Gil 70

* Crédito das fotos: Mônica Bento

Gil 70
Onde? Itaú Cultural – Av. Paulista, 142
Quando? Até 17 de fevereiro de 2013 – terça a sexta, das 9h às 20h, sábado, domingo e feriado, das 11h às 20h
Grátis

Lygia Clark ganha retrospectiva no Itaú Cultural

Padrão

Uma das artistas brasileiras de mais difícil classificação no século XX, Lygia Clark (1920-1988) trabalhou desde esculturas até pinturas e proposições interativas com o público. Um panorama de seus trabalhos pode ser visto pelo público no Itaú Cultural, na mostra “Lygia Clark: uma retrospectiva”.

Com entrada gratuita, a exposição reúne desde pinturas do início da carreira da artista até projetos inéditos, realizados a partir de documentos deixados Lygia.

Entre as novidades, o “Homem no Centro dos Acontecimentos” e “Filme Sensorial”. São duas produções feitas pelo próprio Itaú Cultural. A primeira traz projeções de vídeos nas quatro paredes de uma pequena sala, dando ao espectador a sensação de caminhar pela rua. A outra é a experiência de vivenciar a rotina de um sujeito através apenas de som e luz.

Além da mostra com um total de 150 obras, a programação inclui dois seminários abertos ao público, com transmissão ao vivo pela web, atividades experimentais e dois produtos em formato digital.

Lygia Clark: uma retrospectiva
Onde? Itaú Cultural – Av. Paulista, 149
Quando? Até 11 de novembro – Terça a sexta, das 9h às 20h; Sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h
Grátis

Emoção Art.ficial reúne arte e tecnologia no Itaú Cultural

Padrão

Em cartaz no Itaú Cultural até 29 de julho, a sexta edição da Bienal Internacional de Arte e Tecnologia, intitulada Emoção Art.ficial, explora temas associados à presença, cada vez mais disseminada, de sistemas de informação e dispositivos tecnológicos na vida cotidiana, tendo como ponto de convergência as poéticas e percepções estéticas possibilitadas pelas novas mídias interativas no campo das artes.

Neste ano, no Emoção Art.ficial 6.0, a proposta é criar um “espaço de convivência” voltado tanto para obras realizadas com novas mídias – arte com seres tecnológicos (robôs, organismos sintéticos) e expressões artísticas calcadas em mídias técnicas (computadores, celulares) – quanto para trabalhos elaborados em suportes tecnológicos considerados já tradicionais na arte contemporânea, mais especificamente o cinema e o vídeo.

Nesta abordagem, a realidade técnica não é captada em objetos estéticos específicos, para os quais seria necessária uma especialização, um conhecimento prévio de especificações encontradas em manuais. O método utilizado nos dez trabalhos, de acordo com a proposta, pode ser poético e naturalmente assimilado.

Em uma das obras uma imagem é repetidas vezes cortada em várias tiras e, em seguida, é computadorizadamente remontada e recomposta em sua forma original. Outra, explora o aspecto lúdico. Os visitantes podem desenhar figuras e escrever frases no teclado e vê-las projetadas em balões de histórias em quadrinhos partilhando seus pensamentos e estimulando uma conversação pública.

Emoção Art.ficial 6.0
Onde? Itaú Cultural – Av. Paulista, 149
Quando? Até 29 de julho; terça a sexta, das 9h às 20h
Grátis

Autores da HQ “O Paraíso de Zahra” participam de palestra em SP

Padrão

Na próxima segunda-feira, 18 de junho, o escritor iraniano Amir Soltani e o cartunista americano Khalil Bendib, autores da graphic novel O Paraíso de Zahra participam de um encontro com o público no Itaú Cultural. No evento, que tem mediação do cineasta e produtor cultural Flávio Rassekh, os autores falam sobre a situação do Irã na atualidade e da motivação em fazer uma história em quadrinhos a respeito das violações dos direitos humanos naquele país.

O Paraíso de Zahra é uma trama ficcional permeada de pessoas reais e eventos com uma visão profunda do que é o Irã hoje. A graphic novel relata a trajetória de Zahra, uma viúva iraniana que após os protestos em Teerã em 2009 perde seu filho Mehdi. Após essas manifestações – decorrentes da reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad – Zahra inicia uma busca desesperada pelo filho, que acredita ter sido vítima da repressão dos aiatolás.

O cartunista Khalil Bendib nasceu na Argélia, mas vive há 25 anos na Califórnia. Nunca esteve no Irã, e fez todos os desenhos de O Paraíso de Zahra a partir de referências da internet.

O Paraíso de Zahra
Onde? Itaú Cultural, Av. Paulista, 149
Quando? 18 de junho, às 20h30
Grátis

Dica para o feriado: Ocupação Angeli no Itaú Cultural

Padrão

Fica em cartaz até 6 de maio a “Ocupação Angeli”, no Itaú Cultural. A mostra desvenda o universo do cartunista com a apresentação de mais de 800 obras assinadas pelo artista, sendo 80 originais e cerca de 20 fotos do arquivo pessoal, incluindo retratos de infância e adolescência.

Criador de personagens memoráveis, e, controversos, como Bob Cuspe, Rê Bardosa, Los Três Amigos e Wood & Stock, Angeli começou a fazer seus primeiros desenhos aos 14 anos para a revista Senhor e, em 1973, entrou na Folha de São Paulo, onde permanece até hoje. Sua principal característica é ironizar a vida cotidiana, emprestando um humor ácido a charges políticas.

Na mostra, mais de 20 temas e tipos de trabalho (sexo, o comportamento humano, a política e a música) foram selecionados para criar um panorama da carreira de Angeli. Entre os destaques está a exibição de dois sets restaurados das filmagens do curta-metragem “Dossiê Rê Bordosa”, dirigido por Cesar Cabral, e uma entrevista com Angeli onde ele conta fatos marcantes de seu trabalho entre as décadas de 70 até os anos 2000, mixada com músicas da época pelo filho do cartunista, o produtor musical Pedro Angeli.

Ocupação Angeli
Onde? Itaú Cultural – Avenida Paulista, 149
Quando? até 6 de maio; de terça a sexta-feira, das 9h às 20h; sábados e domingos, das 11h às 20h
Grátis

Vem por aí: Nelson Rodrigues no Itaú Cultural

Padrão

Em junho, o Itaú Cultural dedica a sua tradicional “Ocupação” ao escritor Nelson Rodrigues. Nascido em 1912, esse ano será o centenário de nascimento de Nelson e como homenagem a instituição promove evento para celebrar sua obra.

Pernambucano, Nelson viveu a maior parte de sua vida no Rio de Janeiro. Trabalhou no jornal A Manhã e foi repórter policial durante longos anos, de onde acumulou uma vasta experiência para escrever suas peças a respeito da sociedade.

Sua primeira peça foi “A Mulher sem Pecado”, que lhe rendeu os primeiros sinais de prestígio dentro do cenário teatral. Mas, sucesso mesmo veio com Vestido de Noiva, que trazia, em matéria de teatro, uma renovação nunca vista em nossos palcos. A consagração se seguiria com vários outros sucessos, transformando-o no grande representante da literatura teatral do seu tempo, apesar de suas peças serem taxadas muitas vezes como obscenas e imorais. Em 1962, começou a escrever crônicas esportivas, deixando transparecer toda a sua paixão por futebol. Faleceu em 1980, no Rio de Janeiro.