Arquivo da tag: Nelson Rodrigues

Myrna Sou Eu, de Nelson Rodrigues

Padrão

Myrna Sou euSucesso de público, o espetáculo “Myrna sou Eu” volta em cartaz para uma temporada de 2 meses no Teatro Eva Herz, com sessões aos sábados, às 18h, a partir do dia 19 de julho. O texto é de Nelson Rodrigues, com adaptação, roteiro e direção de Elias Andreato e interpretação de Nilton Bicudo.
Nelson Rodrigues dizia que se as pessoas falassem o que fazem entre quatro paredes, ninguém mais se cumprimentava. Nelson escreveu por anos no Correio da Manhã, as crônicas em que assinava Myrna, e tentava falar direto aos corações femininos e suas dilacerantes dúvidas.

Os homens, na verdade, são os personagens principais dessas crônicas, pois é sobre seu comportamento que Myrna raciocina junto ao público.

Para dar voz a essa mulher que tenta entender os homens, o ator Nilton Bicudo lança mão de sua alma feminina e sobe ao palco.

Um monólogo, ora engraçado, ora comovente, onde Myrna responde as perguntas que suas ouvintes lhe mandam no programa de Rádio, chamado Consultório Sentimental. Dar voz a Nelson, em sua lucidez e coragem.

Myrna Sou Eu
Quando? de 19 de julho até de 29 setembro de 2014, aos sábados, às 18h
Onde? Teatro Eva Herz – São Paulo Unidade: Conjunto Nacional
Av. Paulista, 2073 – Bela Vista – São Paulo/SP
Quanto? R$ 40,00 (inteira)
Recomendado? 12 anos
Duração? 70 min.
Informações? (11) 3170-4059

 

Clarice Lispector é tema de programas no SescTv

Padrão

Clarice1O SescTv vai apresentar nos dias 23 e 29 de maio três programas inéditos sobre a escritora e jornalista nascida na Ucrânia e naturalizada Brasileira Clarisse Lispector.

Será exibido o documentário De Corpo Inteiro – Entrevistas, no dia 23/05, sexta, às 23h; o curta-metragem O Ovo, inspirado no conto O Ovo e a Galinha, exibido na sequência; e, no dia 29/05, quinta, às 21h, a entrevista Panorama, concedida pela escritora em 1977, à TV Cultura de São Paulo.

Baseado no livro Entrevistas, o documentário De Corpo Inteiro – Entrevistas é dirigido pela sobrinha-neta de Clarice, Nicole Algranti. O filme reproduz entrevistas realizadas pela escritora com autores da literatura brasileira como Nelson Rodrigues, Fernando Sabino, Rubem Braga e Jorge Amado. Clarice é interpreta pelas atrizes Aracy Balabanian, Beth Goulart, Leticia Spiller e Dora Pellegrino. Além disso, o documentário refaz algumas entrevistas conduzidas por Clarice com personalidades como Oscar Niemeyer, Tônia Carrero, Elke Maravilha e Nélida Piñon.

O curta-metragem O Ovo, também dirigido por Nicole Algranti, é inspirado no conto O Ovo e a Galinha da escritora. Com narração de Maria Bethânia, o curta-metragem em preto e branco retrata de forma poética o tema ancestral da criação dos seres, tendo como símbolo a figura de um ovo.

Em entrevista ao programa Panorama, da TV Cultura, em 1977, Clarice fala sobre a família, o início da carreira, a produção na adolescência, o processo de criação, o fato dela se considerar uma amadora, a produção infantil, a compreensão do público da sua obra, o contato com os estudantes e o processo de criação.

Especial Clarice Lispector

De Corpo Inteiro – Entrevistas
Exibição: 23/05, sexta, às 23h
Reapresentação: 27/05, terça, 1h

O Ovo
Exibição: 23/05, sexta, 24h10
Reapresentação: 27/05, terça, 2h10

Panorama
Exibição: 29/05, quinta, às 21h
Reapresentação: 30/05, sexta, 24h30
Classificação indicativa: Livre

Todas as fases de Nelson Rodrigues no Centro Cultural Fiesp

Padrão

Certa vez, Nelson Rodrigues (1912-1980) afirmou: “Sou um menino que vê o amor pelo buraco da fechadura. Nunca fui outra coisa. Nasci menino, hei de morrer menino. E o buraco da fechadura é, realmente, a minha ótica de ficcionista. Sou (e sempre fui) um anjo pornográfico.”

E é exatamente assim que o público pode enxergar Nelson Rodrigues e toda sua obra na exposição Nelson Rodrigues 100 anos: pelo buraco da fechadura. A mostra, apresentada pelo Sesi-SP e com curadoria do escritor Ruy Castro, revela Nelson nas mais diversas facetas: o jornalista, o cronista, o dramaturgo, o folhetinista, o comentarista esportivo, o pai, o marido, o amigo, o irmão, o ‘anjo pornográfico’.

A exposição permite que o visitante percorra a vida de Nelson Rodrigues por meio de suas obras, como “Vestido de Noiva”, a peça que revolucionou o teatro moderno brasileiro, apresentada em grande painel com texto e imagens que evocam o cenário da montagem original: um hospital. Além disso, é possível ouvir Nelson por meio da voz de Ruy Castro, narrando suas frases inesquecíveis. Há, também, um filme raro dirigido por João Bethencourt (1924-2006), que recupera cenas do cotidiano de Nelson em casa e na redação, em 1968, aos 56 anos.

Nelson Rodrigues 100 anos
Onde? Térreo Inferior do Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso (av. Paulista, 1.313 – Metrô Trianon-Masp)
Quando? De 11 de outubro a 16 de dezembro – Diariamente, das 11h às 21h, com entrada até 20 minutos antes do fechamento
Grátis

Festival Sesc Palco Giratório

Padrão

Até 26 de agosto, 10 unidades do SESC em São Paulo vão apresentar 17 espetáculos desenvolvidos por 16 grupos de teatro e dança de várias partes do Brasil.

Entre os destaques da programação estão: “Dia Desmanchado”, que conta a história de um pacato exterminador de insetos. O espetáculo é baseado na obra O ensaio, do dramaturgo norte-americano Benjamin Bradford. Já em “A Barca”, o Grupo Trivial e Mestres de Cavalo (PE) questionam as tradições brasileiras através de histórias como Dom Quixote, Joana D’arc e Iara.

“O amos de Clotilde por um certo Leandro Dantas”, é Inspirada no folhetim A emparedada da Rua Nova, do escritor pernambucano Carneiro Vilela e traz toda a comédia da companhia Ensaia Aqui e acolá. Outro destaque fica por conta de “Anjo Negro”, trajédia de Nelson Rodrigues que é encenada pela Cia. Teatro Mosaico, de Cuiabá.

Para conferir toda a programação, clique aqui!

Vem aí: Bienal do Livro

Padrão

Começa na próxima quinta-feira, 9 de agosto, a 22ª edição da Bienal Internacional do Livro, que este ano presta homenagens a Jorge Amado, Nelson Rodrigues e a Semana de Arte de 1922.

Com a expectativa de receber 800 mil visitantes, a programação cultural da Bienal do Livro se espalha por mais dois novos espaços: os pilares temáticos Telas&Palcos e Livros&Cia.  Os outros espaços são: Deu a Louca nos Livros (onde as crianças terão oportunidade de inventar todo o tipo de história e criar livros imaginários), o Espaço do Professor (com oficinas de mestres renomados e atividades do Canal Futura), o Salão de Ideias (espaço de autores aproximados por contrastes e semelhanças) e o espaço gourmet Cozinhando com Palavras (que tempera ingredientes com palavras e palavras com cultura).

A atração cultural que também promete convidar mais público para a Bienal é a Travessa Literária, nova área com 84 metros quadrados reservada aos escritores independentes, com 21 autores inscritos,muitos estreando na exposição literária. No total, o evento conta com 480expositores, 346 nacionais e 134 internacionais.

Para visitar a feira, o público poderá contar com transporte gratuito para a Bienal a partir das estações Barra Funda e Tietê.

22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo
Onde? Pavilhão de Exposições do Anhembi – Av. Olavo Fontoura, 1.209
Quando? 9 a 19 de agosto, das 10h às 22h
Ingressos: R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia)

Peça Boca de Ouro, de Nelson Rodrigues está em cartaz na FIESP

Padrão

Celebrando o centenário de Nelson Rodrigues, o Teatro do Sesi apresenta a peça “Boca de Ouro”, trama que aborda o submundo da contravenção no Rio de Janeiro a partir da história do malandro de mesmo nome.

Com direção geral e artística de Marco Antônio Braz, a montagem, classificada originalmente como tragédia carioca, mergulha no universo “rodrigueano” ao apresentar o chofer de ônibus malandro – inspirado no bicheiro Arlindo Pimenta – que carrega em sua boca 27 dentes de ouro 24 quilates e atua no mundo paralelo do crime da capital fluminense.

O chofer do ônibus que Nelson Rodrigues costumava pegar se orgulhava sempre de seus 27 dentes de ouro maciço, 24 quilates. Ele foi a inspiração para o dramaturgo contar uma história do submundo e do poder paralelo da contravenção. Metido, cheio de bossa, o protagonista tem densidade psicológica, complexado por causa da sua origem humilde. Antecipando uma discussão que até hoje não tem fim, Nelson desvenda o processo metafísico da violência e da ambição pelo poder, numa lição construtiva e cada vez mais contemporânea.

Protagonizando o espetáculo, Marco Ricca encarna o personagem que, de Madureira para todo Rio, impõe suas leis.

Boca de Ouro
Onde? Centro Cultural FIESP – Av. Paulista, 1313
Quando? Até 25 de novembro
Ingressos: quinta e sexta, grátis; sábados e domingos, R$ 10

Teatro Cego estreia peça de Nelson Rodrigues em SP

Padrão

Começa na próxima quarta-feira, 13 de junho, uma temporada teatral baseada no conto “O Grande Viúvo” de Nelson Rodrigues, apresentada de forma inédita no Brasil: todo o desenvolvimento da trama acontece em um local completamente escuro, fazendo com que os espectadores, sem que possam contar com a visão, tenham que se valer de todos os seus outros sentidos (olfato, tato, paladar e audição) para compreenderem o conteúdo da peça.

Essa condição insere o público no universo dos deficientes visuais, que se utilizam desses quatro sentidos, somados à intuição, para compreenderem o mundo ao seu redor. Durante o espetáculo, sons, vozes e cheiros chegarão aos espectadores vindos sempre de locais diferentes, dando a sensação de que eles estão realmente inseridos no ambiente cênico. Tais sensações serão o caminho para a compreensão da trama, mesmo ela ocorrendo completamente no escuro.

Com elenco formado por 5 atores, sendo 3 deles cegos, e mais 4 músicos, a proposta é criar um ambiente inédito no teatro brasileiro, abrindo um novo campo de trabalho para atores, produtores, técnicos, inclusive priorizando o trabalho de deficientes visuais que atuam ou tenham intenção de atuar nessa área.

A peça
Baseada no conto “O Grande Viúvo” extraído do livro “A Vida como ela é”, de Nelson Rodrigues, conta a história de um viúvo que, após ter perdido sua amada esposa, comunica à família que também quer morrer e ser enterrado junto à falecida. Porém, não antes de construir um mausoléu, onde os dois corpos, o dele e o da esposa, deverão repousar lado a lado. A família, inconformada, tenta a todo custo convencê-lo a desistir do suicídio, mas tem apenas o tempo da construção do mausoléu para fazê-lo. Enfim, encontra uma forma inescrupulosa, baseada em calúnias sobre a falecida, de evitar a tragédia. Mas o resultado disso tudo acaba sendo totalmente inesperado para todos.

Teatro Cego – O Grande Viúvo
Onde? Tucarena – Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes
Quando? Estreia em 13 de abril, apresentações as quartas e quintas, às 21h
Ingressos: R$ 40,00